MADE IN RUSSIA

Todas as regiões
POR
Entrevista

Sobre os filmes locais: uma entrevista com o diretor da empresa regional BaikalCinema

Sobre os filmes locais: uma entrevista com o diretor da empresa regional BaikalCinema

Hoje nem todos os espectadores na Rússia, ou mesmo um crítico de cinema, estão familiarizados com filmes produzidos por empresas locais. Entretanto, tal conteúdo está ganhando prêmios até mesmo em festivais internacionais.

À margem do Fórum Económico Oriental, a equipa editorial de "Made in Russia" discutiu com Dina Podprugina, directora geral do BaikalKino, que actualmente produz filmes para o canal de televisão TNT e para o cinema online KION.

- Você começou o seu discurso dizendo que o SpongeBob é conhecido em todo o mundo, e a situação com os nossos heróis é diferente. Como você acha, por que os heróis do cinema doméstico e da animação não são conhecidos apenas no mundo, mas às vezes até no nosso país?

- Porque o cinema realmente russo esteve no dobradouro por um tempo. Só agora eles começaram a falar sobre se precisamos de um cinema assim (nota regional).

O kino americano não foi tocado pela Grande Guerra Patriótica. Havia lá um espectador consistente, e estávamos constantemente a ser expulsos: vamos desenvolver-nos aqui, vamos ser expulsos. O cinema soviético era ótimo, mas depois aconteceram os anos 90. É claro que todos nós - as companhias de cinema, os cineastas, os produtores de filmes - precisamos de tempo para começar a mergulhar em algumas das nossas próprias histórias e personagens.

Mas já estamos vendo o surgimento de filmes soviéticos como Upward Motion, um filme sobre jogadores de basquetebol soviéticos. Este será também o retorno dos significados que estão embutidos no código cultural russo.

Alguém está se voltando para os nossos contos de fadas agora. Por isso, acho que estamos à frente do jogo.

- A situação actual na indústria é um problema da indústria ou anda de mãos dadas com o Estado?

- Procurar os culpados é uma tarefa ingrata. Claro, ninguém é culpado por certos eventos históricos. Outra coisa é que temos de resolver este problema agora, em conjunto. Nem o Estado o pode impor, nem o próprio povo pode fazer algo grande por si mesmo.

O que estamos fazendo agora é uma tentativa de encontrar uma forma de cooperação, onde o Estado faria sem censura, onde as pessoas não andariam por aí usando o dinheiro do Estado, mas continuariam a criar e a lutar pelas estrelas.

- A sua empresa recebe apoio do Estado?

- Nós tomamos parte numa base competitiva, como todos os outros. Há centenas de empresas de cinema. Algumas têm sorte, outras não. Tudo depende do tipo de projeto que você apresenta e de como você o defende. Tivemos sorte, uma vez, com o Fundo do Cinema. Hoje contamos com o subsídio republicano. Não é muito dinheiro, mas como eles dizem, qualquer apoio é apoio.

- Este apoio é suficiente?

- Nós somos tão mimados. Agora mesmo um orador disse que eles não queriam filmar com um operador de segunda linha. Eles não queriam filmar com equipamento russo; eles trouxeram equipamento de Paris. Claro, o apetite deles vai crescer, e eles querem filmar com a máxima qualidade.

Portanto, a resposta à pergunta se há financiamento suficiente depende do que se quer fazer. Uma coisa é se você filmar "Reshala", de forma alguma eu quero falar sobre o meu próprio projeto. "The Resolute" é uma história simples o suficiente. Mas se você quer filmar "O Senhor dos Anéis" ou "O Jogo dos Tronos", é claro, há orçamentos completamente diferentes. Tudo depende do projecto.

- Em que projetos você está trabalhando agora?

- Estamos a trabalhar em "O Espírito de Baikal". É uma história mística sobre um menino que perdeu sua mãe e agora está procurando o sentido da vida. E o "Espírito de Baikal" ajuda-o nisso.

Para tirar a fotografia concordou com o actor americano-japonês Cary-Hiroyuki Tagawa (conhecido pela sua participação nos filmes "Hachiko: O Amigo Mais Fiel", "Memórias de uma Gueixa" - nota). Esperamos que em 2022 comecemos a filmar.

- Qual é o seu trabalho no filme?

- O roteiro foi escrito por Mikhail Raskhodnikov (diretor russo, roteirista, produtor - nota editorial) e sua empresa, ele também o dirigiu. Ele é o principal motor do projeto. Estamos aqui para atuar como anfitriões: estaremos chegando a Buryatia, a Baikal e teremos que garantir todo o processo de produção. Teremos que encontrá-los, encontrar locais, ajudar com atores, com adereços. Isto é um trabalho imenso.

- De onde virá a equipe de filmagem?

- Vai haver uma equipa. Haverá actores estrangeiros, assim como russos. Basicamente, é claro, eles são especialistas de Moscovo.

- Poderia dar alguns números sobre o financiamento?

- Ainda não.

0