O ônus para as empresas de pagar o imposto ecológico aumentará em até 10 vezes a partir de 2022, a Danone calcula
2021-07-28 11:07

O ônus para as empresas de pagar o imposto ecológico aumentará em até 10 vezes a partir de 2022, a Danone calcula

A nova lei sobre Responsabilidade Produtora Estendida (EPR) aumentará a carga sobre as empresas de 4 para 10 vezes a partir do próximo ano, disse Maria Zharkova, Diretora Regional para Assuntos Corporativos da Danone, durante a cúpula econômica internacional "Rússia - Mundo Islâmico": KazanSummit 2021".

"Em 2022, temos que viver de acordo com uma nova lei". Trata-se das obrigações das empresas de coletar e reciclar as embalagens que produzem ou pagar o imposto ecológico", disse ela, explicando que em 2016 as empresas foram obrigadas a reciclar 5% de suas próprias embalagens, em 2020 este número subiu para 20%.

A maioria dos participantes do mercado, disse ela, preferiu pagar o imposto ecológico até o ano passado.

A situação mudará a partir do próximo ano, quando nova legislação entrará em vigor, segundo a qual os produtores podem escolher uma ou outra: reciclar suas próprias embalagens, celebrar contratos com recicladores ou pagar o imposto ecológico, diz a representante da empresa.

"A diferença fundamental das novas regras é que agora o produtor terá que pagar por cada tonelada de embalagem liberada no mercado". Se estamos falando agora do imposto ecológico, ele aumentará os pagamentos à empresa de 4 para 10 vezes em comparação com o que eram antes de 2022". Tudo isso terá um impacto nos custos de produção", explicou Zharkova.

MÁ RECICLAGEM = IMPOSTO ECOLÓGICO MAIS ALTO

Se forem utilizados materiais de embalagem difíceis de reciclar, o fabricante terá que pagar um imposto ecológico a uma taxa mais elevada.

"Se um elemento de PVC aparecer na embalagem que não é reciclável, o coeficiente aumenta quase três vezes. Da mesma forma, o uso de embalagens mais simples, tampas mais ecológicas, menos revestimento de rótulos é incentivado", disse Zharkova.

No entanto, ela apontou que aqui também há "mas". Para que as empresas mudem, por exemplo, do PVC ou, como no caso da Danone, do poliestireno, as linhas e tecnologias precisam ser mudadas. Este processo leva tempo e custos e resultará em uma perda de 15% do mercado, o que a jusante da cadeia desencadeará uma redução de 15% na demanda de leite cru por parte dos agricultores.

De acordo com a nova legislação, é obrigatório que as empresas também utilizem materiais reciclados. Entretanto, isto não é possível em todos os casos, compartilhado pela Zharkova, pois o tetrapack amplamente utilizado, por exemplo, não pode ser feito de matéria-prima reciclada.

"Somos a favor de mudanças, mas queremos ter um roteiro transparente para as empresas sob estas exigências", disse o representante da Danone.

Zharkova também apontou a necessidade de rever a legislação em termos de empresas que trabalham com organizações beneficentes, porque atualmente, se uma empresa dá seus produtos para caridade, ela deve pagar imposto de renda, mas se a empresa dispõe dos mesmos produtos, ela receberá uma compensação.

DE UMA ECONOMIA LINEAR PARA UMA ECONOMIA CÍCLICA

A fabricante de produtos lácteos Danone, hoje, pretende passar de uma economia linear para uma economia cíclica até 2030, Maria Zharkova compartilhou seus planos.

"Infelizmente, hoje não podemos informar que conseguimos substituir e introduzir o plástico reciclado em nossas embalagens. Mas conseguimos substituir com sucesso o plástico de baixa pressão pelo PET (o plástico mais reciclável) em várias marcas. Afastámo-nos das embalagens de PVC. Agora estamos procurando uma alternativa aos tubos plásticos que não são recicláveis, mas até agora tudo o que estamos tentando, incluindo o papel, não está produzindo os resultados desejados. Quanto às embalagens de poliestireno, estabelecemos um prazo até 2025, quando planejamos substituir todo o equipamento", disse ela.

A empresa também investe agora na criação de instalações locais de purificação, a fim de reduzir a carga, que as empresas de processamento de laticínios colocam na infra-estrutura da cidade. Ela enfatizou que estes projetos são caros, por exemplo, a construção de tais instalações em Kazan custou à empresa cerca de 300 milhões de rublos.

SOBRE A KAZANSUMMIT 2021

O mundo russo-islâmico: KazanSummit 2021, uma cúpula econômica internacional da Rússia e dos Estados membros da Organização de Cooperação Islâmica (OIC), está sendo realizada em Kazan nos dias 28-30 de julho. O objetivo da cúpula é fortalecer os laços comerciais, econômicos, científicos, técnicos, sociais e culturais entre a Rússia e os estados membros da OCI.

O leitmotiv do Fórum em 2021 é o consumo consciente; os tópicos-chave do programa de negócios incluem finanças de parceiros, a indústria halal, a diplomacia da juventude, medicina, esporte, indústrias criativas, desenvolvimento de exportação, empreendedorismo e investimento. O evento também hospeda a Exposição Halal da Rússia e o Fórum do Cluster de Engenharia Mecânica.

Em pré-crise de 2019, a cúpula contou com a presença de 3,5 mil delegados de 72 países e 38 regiões da Rússia. Este ano, mais de 2.500 pessoas de 60 países estão participando da cúpula.

Feito na Rússia // Feito na Rússia

Autor: Ksenia Gustova