Partilhar
Atualizar assinatura
Obrigado por subscrever!
Assine hoje o Feito na Rússia e receba as notícias mais interessantes sobre negócios, exportação e cultura russa hoje
Mídias sociais e assinatura RSS

2020-05-15 03:54

A Rússia tornou-se líder na exportação de linho oleaginoso

Em 2019, a Rússia exportou 549 mil toneladas de linho oleaginoso, ou seja, mais 38% do que em 2018. Em termos de valor, o volume aumentou 49%, para 220 milhões de dólares. De 1 de Janeiro a 3 de Maio de 2020, as exportações ascenderam a 117 mil toneladas, no valor de 51 milhões de dólares.

No ano passado, foi fornecido linho oleaginoso da Rússia a 46 países. O maior comprador foi a Bélgica, para onde foram enviadas 205 mil toneladas no valor de 81 milhões de dólares. - em 26% mais do que em 2018. Praticamente o mesmo volume foi fornecido à China - 197 mil toneladas no valor de 81 milhões de dólares, enquanto o ano de expedição para este país aumentou 2,9 vezes em equivalente monetário. Os cinco maiores compradores incluem também a Mongólia (11 milhões de dólares, 4,2 vezes mais), a Polónia (9 milhões de dólares, -2,8%) e a Itália (8,5 milhões de dólares, 2,1 vezes mais).

As sementes de linho Kudryash (linho oleaginoso) contêm até 48% de óleo. Os produtos fabricados a partir da agricultura são utilizados nas indústrias alimentares e de alimentos para animais, bem como sob a forma de matérias-primas técnicas para as indústrias das tintas, do sabão, da electricidade e do couro. Segundo a Rosstat, nos últimos 10 anos, o rendimento bruto de kudryash de linho na Rússia aumentou 7,5 vezes e em 2019 atingiu 651 mil toneladas em peso após transformação. O Distrito Federal da Sibéria (34% da colheita bruta), os Urais e a região do Volga (19% cada) são os líderes na colheita de oleaginosas do país.

A Rússia está entre os 3 maiores produtores mundiais, depois do Cazaquistão e do Canadá. No período de 2009 a 2018, a produção mundial de linho oleaginoso aumentou 1,5 vezes, para 3,5 milhões de toneladas. De acordo com as estatísticas da FAO, em 2018 a Rússia representava 16% da produção mundial (Cazaquistão - 26%, Canadá - 19%).

Estes mesmos países têm sido os maiores exportadores de sementes de linho nos últimos anos. Em 2019, as exportações mundiais de linho ascenderam a 1,9 milhões de toneladas, para um total de 895 milhões de dólares. Ao mesmo tempo, no ano passado, a Rússia, pela primeira vez, saiu em primeiro lugar pelo custo dos fornecimentos externos, ultrapassando o Canadá. Os principais importadores mundiais de sementes oleaginosas de linho são a Bélgica, a China e a Alemanha.

No ano passado, a exportação mundial de óleo de linhaça foi estimada em 235 milhões de dólares, enquanto os maiores fornecedores do mercado mundial são a Bélgica, o Cazaquistão e a Rússia.

De acordo com as previsões da FAO, até 2024 podemos esperar um aumento da procura de sementes de linho no mercado mundial de 21% ou 400 mil toneladas até 2019, e de óleo de linho - de 260 mil toneladas ou mais do dobro.

Para a Rússia, o linho oleaginoso é sobretudo um produto de exportação. O desenvolvimento das exportações continua a ser o principal motor da produção interna e a aumentar a sua atractividade de investimento. Ao mesmo tempo, a cultura continua a enfrentar o problema da falta de mercados fiáveis devido à impopularidade dos óleos de nicho entre a população russa e à instabilidade da procura de exportação.

O linho oleaginoso tem um segmento limitado no mercado global, onde a Rússia tem de competir com o Canadá e o Cazaquistão, afirma Dmitry Rylko, Director-Geral do Instituto das Condições do Mercado Agrícola. Num contexto de declínio da produção no Canadá, a procura de linho oleaginoso no mundo tem sido elevada nos últimos tempos e, em geral, tende a crescer. Por conseguinte, esta cultura tem certamente potencial. No entanto, no futuro, a situação dependerá em grande medida dos volumes de produção nos países concorrentes: assim, este ano, esperamos ver áreas de plantação recordes no Cazaquistão. Com um aumento significativo da produção, o mercado poderá ficar saturado e o preço poderá afundar-se.

Ao mesmo tempo, o potencial da direcção da exportação está ligado ao aumento da transformação interna do linho oleaginoso e, consequentemente, ao aumento do valor acrescentado dos produtos expedidos. Até 2018, praticamente não se registaram vendas externas de óleo de linho da Rússia, que se elevaram a menos de 1 milhão de dólares. Em 2018, registou-se uma tendência de crescimento: no final do ano, as exportações ascendiam a 7,9 mil toneladas no valor de 6,3 milhões de dólares, em 2019 este volume aumentou 3,8 vezes.

De acordo com a União do Petróleo e Gordura da Rússia, as exportações previstas de óleo de linhaça em 2020 ascenderão a cerca de 40 mil toneladas. O óleo de linhaça é um tipo de óleo de nicho estreito, sendo consumido em quantidades limitadas para fins medicinais e preventivos. Na Rússia, a cultura moderna de consumo de óleo de linhaça ainda não está totalmente desenvolvida, afirmou Mikhail Maltsev, Director Executivo da União do Óleo e da Gordura. Ao mesmo tempo, acrescentou que, devido ao desenvolvimento da infecção por coronavírus, a entrada em funcionamento das instalações de transformação de linho oleaginoso pode ser adiada.

Segundo o Centro Federal Agroexport, a lista de países potencialmente consumidores de sementes oleaginosas e óleo de linhaça russos inclui principalmente países europeus (Polónia, Dinamarca, Grécia, Grã-Bretanha, República Checa, Suíça, Bósnia-Herzegovina), bem como o Japão.

Fabricadas na Rússia // Fabricadas na Rússia

Autor: Anatoly Petrov

Envie os seus pedidos de compra para pr@madeinrussia.ru ou ligue para +7 (495) 640-44-40

Partilhar
São proibidos comentários após 5 dias desde as publicações devido à política editorial

Outras histórias