Partilhar
Atualizar assinatura
Obrigado por subscrever!
Assine hoje o Feito na Rússia e receba as notícias mais interessantes sobre negócios, exportação e cultura russa hoje
Mídias sociais e assinatura RSS

2020-05-20 10:09

A KAMAZ produziu os primeiros camiões de GNL com dois criobucks

A fábrica automóvel da KAMAZ continua a desenvolver e a produzir veículos que operam com combustíveis alternativos. Entre Fevereiro e Março, foram fabricadas 6 unidades do novo modelo 5490 da KAMAZ a operar com GNL e com duas câmaras criogénicas a bordo. Este projecto permite aos veículos competir com sucesso com os homólogos diesel, fornecendo uma potência de 400 cv e um alcance de 1400 km.

O aparecimento do novo modelo provocou um alvoroço entre os potenciais compradores que pretendiam aumentar a competitividade no seu transporte. A utilização de combustíveis alternativos para o transporte de longo curso reduzirá significativamente o custo de manutenção da frota de veículos e do seu funcionamento. O primeiro lote de camiões já está a ser utilizado em modo de ensaio por algumas empresas.

Evgeny Pronin, Director de GNV da KAMAZ, afirmou que a utilização de gás natural é particularmente eficiente nos camiões de longo curso, o que permite reduzir o consumo de combustível de 3 a 4 vezes em comparação com as unidades a gasóleo. Ao mesmo tempo, a direcção da fábrica compreende que a rede de abastecimento de gás na Rússia está apenas em fase de desenvolvimento e oferece uma solução sob a forma de camiões híbridos a gás-diesel KAMAZ 5490 que funcionam a gás natural comprimido. Afirma-se também que não só os camiões a GNV são populares, mas também extremamente ecológicos.

Fabricados na Rússia // Fabricados na Rússia

Autor: Anton Petrov

Se é um investidor ou comprador estrangeiro de bens e serviços russos, bem como se necessita de apoio ao entrar no mercado russo, pode solicitar o apoio da marca nacional Made in Russia. Pode enviar a sua candidatura por correio para pr@madeinrussia.ru ou por telefone +7 495 640 44 40.

Partilhar
São proibidos comentários após 5 dias desde as publicações devido à política editorial

Outras histórias