Os cientistas russos encontraram uma forma de reduzir as emissões de produção em um terço.
2021-01-06 07:13

Os cientistas russos encontraram uma forma de reduzir as emissões de produção em um terço.

Os cientistas na Rússia encontraram uma forma de melhorar a eficiência energética das empresas do país, para que os fabricantes não tenham de pagar uma taxa de carbono à União Europeia.

Anteriormente, foi relatado que a UE pretende introduzir um "imposto sobre o carbono" para a Rússia, o que poderia provocar perdas económicas. A taxa desse imposto transfronteiriço dependerá do nível de emissão de dióxido de carbono pelas empresas nacionais. Por outras palavras, a Federação Russa terá de pagar um imposto mais elevado sobre as importações para a UE de produtos em cuja criação tenham sido produzidas emissões.

Os cientistas desenvolveram um método científico Anselm, que evitará a elevada taxa e aumentará a eficiência energética das empresas, relata a imprensa.

Assim, um dos autores do método, Maxim Kanischev, disse que embora não seja possível reduzir as emissões de produção a zero, elas podem ser reduzidas em um terço. Ele observou que a eficiência de 30% não inclui as multas sobre emissões. Se forem incluídas, então o efeito positivo sobre a economia de qualquer empresa com uso intensivo de energia será reforçado. Nesse caso, de acordo com o cientista, um aumento na eficiência energética de 50% pode ser alcançado, alcançando assim um nível global.

Os especialistas planejam utilizar o sistema Anselm para avaliar o potencial de crescimento da eficiência energética na indústria química e petrolífera. Entretanto, para que a implementação atinja o nível de 75% em quatro anos, o desenvolvimento dos processos deve começar o mais rápido possível.

Para tal, propõe-se a criação de um grupo de trabalho especial em conjunto com cientistas para monitorizar a eficiência dos processos. Propõe-se trabalhar em conjunto com os cientistas europeus para criar um sistema de avaliação da capacidade de absorção das florestas e dos carbonatos que estão sendo criados. Isto ajudará a evitar os riscos de não reconhecimento de métodos domésticos para estimar a capacidade de sequestro de dióxido de carbono das fazendas carbonáticas e reduzir as emissões de dióxido de carbono.

Ao mesmo tempo, os cientistas na Rússia acreditam que os problemas ambientais só podem ser resolvidos através dos proprietários das instalações de produção e através dos lucros. Eles apontaram a importância de os proprietários verem benefícios diretos na melhoria da eficiência energética e na redução de emissões.

Em 2019, a Rússia forneceu à Europa produtos no valor de 180 bilhões de dólares, dos quais 75% vieram do petróleo e seus derivados. Se esses volumes forem mantidos, os exportadores terão de pagar um imposto de cerca de 22 bilhões de dólares, levando a um aumento de 12% nos preços na Rússia, dizem os especialistas.

Feito na Rússia // Feito na Rússia

Autor: Ksenia Gustova