EXPERTO: Rússia lança segunda onda de desenvolvimento do Ártico
2021-06-09 06:30

EXPERTO: Rússia lança segunda onda de desenvolvimento do Ártico

A segunda onda de desenvolvimento do Ártico começou na Rússia. Andrey Ivanov, coordenador do programa do Escritório de Projetos para o Desenvolvimento do Ártico (PORA), disse ao Made in Russia que a lei aprovada hoje pela Duma, que facilita a realização de negócios na zona ártica, pode ser um elemento importante desse trabalho sistêmico, mas o governo deve desenvolver a infra-estrutura na região para torná-la confortável para os negócios.

"A Rússia entrou numa nova era, que pode ser chamada a segunda onda de desenvolvimento do Ártico. É necessário olhar para a nova lei numa perspectiva histórica e num contexto mais amplo". É uma continuação da lei de apoio estatal ao empreendedorismo na Zona Ártica da Federação Russa (ASRF), que foi assinada no ano passado, e uma série de documentos políticos", compartilhou Ivanov com o projeto "Made in Russia".

Ao mesmo tempo, ele destacou que a lei deveria ser apenas um elemento do trabalho do Estado para desenvolver o Ártico.

"Deve ser entendido que esta é uma tática de longo prazo em termos estratégicos. Agora saiu um documento do governo contendo 268 projetos a serem implementados como parte da geopolítica - o Plano 268", como eu o chamo. Mas o fundamental não é apenas criar documentos. Em primeiro lugar, o Estado do Ártico precisa apoiar o desenvolvimento da infraestrutura - transporte, que inclui pequenos aeroportos, pequenas frotas e a frota fluvial" - acredita o especialista.

"Os esforços do Estado em relação ao desenvolvimento da Rota do Mar do Norte são notáveis, mas a atenção, os esforços e as finanças são insuficientes para o desenvolvimento da infra-estrutura costeira, o ecossistema capilar, que alimenta a Rota do Mar do Norte. Para que ela adquira o papel que pretendemos, é necessário resolver tarefas em terra", continuou.

Também é necessário para a implementação de projetos de pequenas e médias empresas (PME), assegurou o especialista.

Ivanov explicou que a principal dificuldade de qualquer produção no Ártico são os altos custos unitários de transporte, entrega de componentes e o maior custo de mão-de-obra.

"Por isso, a conta é útil precisamente na linha geral de trabalho". Mas não é suficiente", frisou ele.

Para ele, o processo de desenvolvimento do Ártico, assim como o desenvolvimento das PMEs na região, pode ser muito acelerado pelo progresso científico e tecnológico.

"É claro que a transição para as energias renováveis não acontecerá da noite para o dia, é um desafio qualitativo, um caminho evolutivo". Nós mesmos não estamos pedindo uma aventura abrupta, é impossível". Mas no quadro da renovação de todos os segmentos mencionados já podemos nos concentrar em fazer navios a gás natural liquefeito, em tecnologia híbrida, onde o diesel é usado", explicou.

Ivanov também disse que o país já tem muitos desenvolvimentos científicos, que poderiam ser utilizados no Ártico.

"A PORA concede subsídios de até 100 mil rublos, durante três anos já emitiu mais de 200 subsídios, incluindo subsídios para cientistas, para novos desenvolvimentos". Sabemos que há muitos desenvolvimentos científicos e aplicados, estamos a tentar apoiar os cientistas... Na era romântica dos anos 70, a tarefa era criar a indústria mineira. A tarefa da nova era é desenvolver o potencial dos recursos e realizar o potencial do transporte. E a base para isso será, acima de tudo, o desenvolvimento da tecnologia", concluiu Ivanov.

Made in Russia // Made in Russia

Autor: Ksenia Gustova