MADE IN RUSSIA

Todas as regiões
POR
Especialistas

"A monetizar o voo da fantasia". Um economista em ascensão das indústrias criativas - ENTREVISTA

"A monetizar o voo da fantasia". Um economista em ascensão das indústrias criativas - ENTREVISTA

Nos últimos anos, a comunidade de especialistas tem discutido ativamente o desenvolvimento e o conceito de indústrias criativas. Cada vez mais se expressa a opinião de que é este sector baseado na venda de bens e serviços que é o resultado da actividade intelectual que se tornará o motor do desenvolvimento económico global no futuro. O projeto "Made in Russia" conversou com Sergey Trukhachev, Vice-Reitor de Desenvolvimento da Faculdade de Economia e Chefe do Laboratório de Pesquisa em Modernização Institucional, para descobrir por que a criatividade atrai autoridades financeiras e por que este tópico ainda é bastante vago.

- Antes de mais nada, gostaríamos de compreender o conceito de indústrias criativas.

- Indústrias criativas é um setor especial da economia, baseado na venda de bens e serviços, que são o resultado da atividade intelectual. Mas o problema é que todos entendem algo diferente sob este termo. Não há uma metodologia estabelecida e uma metodologia de avaliação. Agora na Rússia, a pedido da Federação para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, um estudo está sendo realizado, e especialistas, tendo estudado todo tipo de estatísticas, dizem que não há uma abordagem unificada em nenhum lugar. Há conjuntos de diferentes recomendações internacionais que são aplicadas em diferentes países, aplicadas de formas muito diferentes.

Houve vários estudos sobre a quota do PIB que as indústrias criativas ocupam, também são muito diferentes. Novos estudos estão sendo conduzidos agora, e penso que até o final do ano os dados serão apresentados. Mas é preciso entender que não pode haver uma comparação internacional correta. Para dizer de forma rígida, é. Até agora, tudo é muito relativo.

- Do seu ponto de vista, porque é que este sector é tão "difuso"?

- Uma nova esfera. É sempre assim quando surge algo novo que não se enquadra bem nas instituições tradicionais. Uma coisa é quando se tem a agricultura ligada à terra, a indústria ligada aos edifícios, a tecnologia e as máquinas. Mas quando um voo de fantasia é monetizado, não tem "parque de estacionamento"...

- Na sua opinião, o que está ligado ao surgimento de uma nova esfera e à necessidade de destacar o trabalho criativo como um setor separado, tendo em conta que a maioria das profissões que se enquadram nela já existe há muito tempo?

- Eu acho que há vários fatores. Em primeiro lugar, há a história da propriedade intelectual, que está se tornando cada vez mais importante para o sucesso econômico de um indivíduo, de um país. A propriedade intelectual é código de software, design, métodos científicos e educacionais, música, cinema. A patente tem um papel cada vez mais importante na economia moderna.

Por outro lado, há o problema da geografia e do aumento da mobilidade. É evidente que a competição não é tanto para o território, mas para as pessoas. Se você quer ter sucesso do ponto de vista de uma corporação, uma região, um país - qualquer comunidade - não é uma questão de que território você controla, mas que pessoas trabalham com você.

- Como você avalia o desenvolvimento das indústrias criativas na Rússia?

- Parece-me que há um aspecto muito importante nisto. Há um lugar de trabalho, há um lugar de residência, há um lugar de vendas. É muito importante entender o que queremos dizer com "desenvolvido" e "subdesenvolvido". Há os residentes fiscais que ganham a vida com trabalho criativo. Eles sempre trabalham para uma empresa registrada na jurisdição russa? Não, nem sempre. Estas pessoas vivem sempre na Rússia? Mais uma vez, não. É por isso que é muito importante distinguir entre os mercados de trabalho e os locais de residência.

- E ainda assim, se estamos a falar do mercado russo, de pessoas que vivem na Rússia e trabalham para empresas russas?

- É claro que as pessoas que trabalham em empresas russas não trabalham apenas para o mercado russo. Vamos levar a TI. É claro que esta é uma indústria global, não uma indústria russa. Os russos que trabalham para os escritórios russos da Microsoft, sejam eles parte das indústrias criativas russas, é uma questão de metodologia. Eles trabalham na Rússia, mas é uma empresa global, portanto não é realmente uma questão russa. É por isso que precisamos de uma metodologia para o calcular; a história é demasiado multifacetada.

- Bem, vamos esperar que a metodologia seja formada. Se voltarmos às pessoas que trabalham nesta área, do seu ponto de vista, a Rússia formou uma classe criativa, como podemos caracterizá-la?

- Aqui precisamos definir o que significa a palavra "classe"? Se no entendimento marxista clássico isto significa uma certa relação com os meios de produção, então eu não exagero este fenômeno, pois os meios de produção estão se tornando cada vez mais cérebros.

Não tenho a certeza se podemos falar de classe. Pelo contrário, podemos falar da procura de um certo tipo de mão-de-obra no mercado. Se isto vai ou não tornar-se uma classe, veremos no futuro. O que podemos dizer com certeza é que temos pessoas que vivem dessa maneira, e o número dessas pessoas está crescendo.

- Olhando para o futuro, como você avaliaria o papel e a importância deste setor para a Rússia?

- É claro que é importante. Mas você não pode simplesmente dizer: "Queremos que as indústrias criativas se desenvolvam na Rússia". A história vai muito mais fundo do que isso.

Agora há uma busca de como investir e como tornar a vida confortável para esse trabalho criativo, em termos de registro de direitos de propriedade, e de como viver e trabalhar nesse ambiente.

Se um país quer viver nele, tem de investir no desenvolvimento. A Rússia tem um sistema fiscal e bancário conveniente, é estranhamente orientada para o cliente, em comparação com outros países. A Rússia, especialmente Moscou, é muito avançada tecnologicamente, mas há algumas coisas que você tem que apertar.

O controle sobre os canais de monetização, sobre os canais de informação, é de grande importância. O que vejo no mercado é um claro confronto entre as pessoas que inventam algo, vamos chamá-las de crackpots (da "classe criativa"), e as pessoas que rentabilizam esta história, por assim dizer - o compositor e o dono da marca, o programador e o dono da empresa. Esta é uma história mais complicada, e vamos ver o seu desenvolvimento nos próximos anos.

Made in Russia / Made in Russia

Autor: Maria Buzanakova

0