2016-02-19 12:12

Andrey Razbrodin: Com a abordagem certa, poderíamos levar o mercado a sério

A desvalorização do rublo e a redução da quota de produtos importados dão aos produtores russos a oportunidade de preencher o nicho no mercado russo e expandir a sua presença no estrangeiro. Andrei Razbrodin, presidente da União Russa de Empresários da Indústria Têxtil e Ligeira (Soyuzlegprom), disse em sua entrevista ao portal "Made in Russia" como não perder a chance, que medidas estão planejadas para implementar para apoiar a indústria ligeira.

- Andrey Valentinovich, como é que a actual situação económica do país tem afectado a indústria ligeira?

Vamos colocar desta forma: ambíguo. É claro que há todos os sinais da crise, mas a situação está em constante mudança, tanto em má como em boa direção. É importante para o governo responder a esta situação através de várias medidas. Neste caso, é possível nivelar os problemas que surgem. Por exemplo, uma queda na procura ou falta de crédito.

Claro que, como resultado da desvalorização do rublo, houve interesse em nossos produtos por parte de compradores estrangeiros, pois o preço de nossos produtos está se tornando competitivo no mercado mundial.

Devido à falta de rentabilidade, as importações de produtos caíram significativamente; pelas nossas estimativas, em cerca de 45%. No entanto, em geral, a procura de produtos da indústria ligeira diminuiu cerca de 25-30%. O atraso resultante de 15% pode ser preenchido pelas nossas empresas. Mas todas as oportunidades que se abriram são ainda mal aproveitadas.

- Porque é que esta situação ocorreu?

A razão é a falta de acesso ao crédito. Actualmente, a política dos bancos visa reduzir as carteiras de empréstimos.

Se uma empresa, em comparação com o ano passado, tem, digamos, mais 40% de pedidos, não pode atendê-los, pois precisa comprar matérias-primas. Uma vez que todos os que trabalham seriamente no mercado pagam pelos bens com um atraso, é quase impossível desenvolver-se sem empréstimos.

Com a abordagem certa, seria possível levar o mercado a sério, mas a falta de acesso ao crédito limita significativamente o desenvolvimento.

- Houve alguma tentativa de resolver este problema?

O Ministério da Indústria e Comércio, com a nossa participação, desenvolveu um programa de apoio ao sector da indústria ligeira para 2016. Incluiu medidas que, pelo menos parcialmente, compensaram o impacto da crise sobre o setor.

Por exemplo, foi proposta a utilização da experiência de apoio à agricultura, onde foram alcançados resultados sérios. A nossa indústria, tal como a agricultura, é mais adaptativa do que muitas outras e menos exposta à força maior, por isso acreditamos que as medidas de apoio propostas devem produzir resultados. Mas até agora o documento ainda não foi finalmente aprovado, a questão está em discussão.

- Que medidas de apoio foram propostas?

Estes são tanto subsídios e medidas regulamentares, como empréstimos em condições favoráveis. Entre as medidas propostas está a escolha do Rosselkhozbank como banco autorizado para empréstimos a produtores da indústria ligeira, a sua capitalização adicional por um determinado montante, a fim de alterar o montante do capital de reserva. Desta forma, criaremos um instrumento de empréstimo para as nossas empresas.

Além disso, existe uma proposta para usar o Rosselkhozleasing e obrigá-lo a trabalhar com a nossa indústria.

- Quanto tempo você espera que o lançamento deste programa ocorra?

A ordem do governo diz que em fevereiro a questão deve ser resolvida.

- Será que eles terão sucesso?

Essa não é a minha pergunta. Só temos de esperar e ter esperança.

Se a decisão for tomada, mesmo que não em fevereiro, mas em março, veremos os resultados apenas no próximo 2017. Mesmo que seja adotado, será necessário desenvolver documentos apropriados, todas as diretrizes metodológicas, e isso também levará tempo.

De uma boa forma, o programa para 2016 teria de ser aprovado em Novembro, pelo menos em Dezembro de 2015, para que começasse a funcionar desde o início do ano.

- Como é que o problema da dependência de mercadorias, que se tornou um problema sério após o colapso da URSS, está a ser resolvido?

O problema é resolvido de forma muito simples: você precisa de matérias-primas - você vai e compra-as. Mas a nível estatal, infelizmente, ninguém lida com as questões da dependência de matérias-primas estrangeiras. Salvar as pessoas afogadas é o trabalho das próprias pessoas afogadas. Algumas decisões são tomadas, mas a sua implementação ainda não chegou ao fim, e é impossível criar uma indústria para a produção de matérias-primas sem o apoio do Estado.

Além da Rússia, para os nossos fabricantes, quais são os principais mercados que você notaria? Será que eles mudaram como resultado da crise?

O principal mercado para as exportações é o dos países da CEI. No entanto, as nossas empresas estão a desenvolver relações com alguns países da ex-União Soviética, digamos, não de forma ideal. É claro que não existem leis que proíbam directamente os produtos russos, mas a nível administrativo são colocados vários obstáculos para impedir os nossos fabricantes de entrar no mercado.

Como estamos construindo um espaço econômico eurasiático comum, estou certo de que todos esses problemas podem ser superados através de negociações e da busca de compromisso. A formação de laços estáveis entre os países da CEI permitirá resolver o problema das matérias-primas, a cooperação na busca de novos mercados para os produtos acabados, a otimização dos recursos humanos e a construção de cadeias logísticas.

Anton Mikhailov