Partilhar
Atualizar assinatura
Obrigado por subscrever!
Assine hoje o Feito na Rússia e receba as notícias mais interessantes sobre negócios, exportação e cultura russa hoje
Mídias sociais e assinatura RSS
Rushan Abbyasov: Sem a marca

2016-02-25 08:55

Rushan Abbyasov: Sem a marca "halal" é quase impossível exportar produtos para países muçulmanos.

O primeiro vice-presidente do Conselho do Muftis da Rússia Rushan Khazrat Abbyasov disse ao portal "Made in Russia" sobre os requisitos que os países muçulmanos têm para importar produtos russos.

- Rushan Rafikovich, como é que o Conselho de Muftis da Rússia promove as relações comerciais entre os países muçulmanos e os produtores russos?

- Os países do Leste e da Ásia tradicionalmente tratam bem as mercadorias marcadas como "Made in Russia". O mundo muçulmano está principalmente interessado em bens marcados com "Halal" produzidos na Rússia, por isso apoiamos totalmente o desenvolvimento dessa produção.

Em particular, o Centro Internacional de Normalização e Certificação "Halal" foi estabelecido na Rússia, nomeadamente em Moscovo. O seu trabalho tem em conta a experiência de outros países islâmicos, onde os padrões da indústria halal estão altamente desenvolvidos.

Nos países do mundo árabe-islâmico, em que restaurante você não iria, em que loja você não compraria produtos, você já sabe automaticamente que eles são "halal" e permitidos. Os produtos fabricados na Rússia exigem rotulagem, certificação e inspeção adicionais para confirmar que não há componentes proibidos para os muçulmanos.

A marcação halal significa que estes produtos são seguros, úteis e religiosamente admissíveis. Sem ela, é impossível negociar com Estados com populações predominantemente muçulmanas.

Hoje nosso centro concluiu acordos de parceria com países como os Emirados Árabes Unidos, Irã, Indonésia e outros. Os residentes destes países compram ativamente produtos russos marcados com "halal".

Os produtos "Halal" são o segmento completo para o mercado interno russo, pois mais de 20 milhões de muçulmanos vivem em nosso país. Portanto, esta marcação abre novas oportunidades para os fabricantes, um segmento especial do mercado onde eles podem se provar.

- O que é "halal"? Conte-nos mais.

- O termo "halal" é literalmente traduzido do árabe como "permitido, permitido". Um muçulmano justo está proibido de comer carne de porco, os mortos de qualquer animal, produtos nocivos ao corpo, como o álcool. Tabaco, drogas e várias substâncias intoxicantes são proibidas. Mas noto que "halal" é a segurança e qualidade dos produtos, bem como a integridade em termos de cooperação e relacionamentos, inclusive financeiros.

- Em que produtos são rotulados?

- Por todo o lado, desde carne até água, chocolate, produtos de confeitaria.

- Ou seja, até a Coca Sola pode ser halal?

- A menos que médicos e cientistas possam provar que é útil e não prejudica o corpo. Segundo o Credo, chegará o Dia do Julgamento e um homem será solicitado a fazer suas obras, inclusive a forma como tratou seu organismo, por isso Deus diz: "Come útil ou permitido", ou seja, permitido - "halal".

- Houve casos de uso injusto da marcação "halal" na Rússia?

- Depois de estudar a experiência da Malásia, dos Emirados Árabes Unidos e de outros países, percebemos que é necessário proteger o mercado de produtos "halal" a fim de evitar o aparecimento de falsificações, para evitar as atividades de fabricantes inescrupulosos. Anteriormente, não era raro, por exemplo, levarmos uma pilha de bolinhos em que se desenhava uma mesquita, símbolos muçulmanos e carne de porco. Para um muçulmano, segundo o Alcorão, e para os representantes das religiões Abraâmicas, a carne deste animal é pecaminosa, é proibido comer.

Registramos marcas apropriadas para proteger os crentes de empresários inescrupulosos. Detectamos e impedimos as violações da lei.

- É suficiente obter a marcação "halal" na Rússia para obter produtos domésticos nos balcões dos países muçulmanos, ou você precisa ser re-certificado após o transporte?

- O nosso certificado é o suficiente. Por exemplo, recentemente representantes dos Emirados Árabes Unidos vieram até nós. Eles visitaram várias empresas que passaram na nossa certificação, certificaram-se de que todos os produtos são produzidos em estrita conformidade com as normas de "halal", abatendo corretamente o animal, todos esterilizados, limpos e de alta qualidade.

Todos os rótulos estão em três línguas: russo, inglês e árabe.

- Como é organizado o processo de certificação Halal?

Após receber um pedido correspondente da empresa sobre o desejo de obter um certificado, nossos especialistas vão ao site, estudam o processo de produção, pesquisam o próprio produto. Já assinamos um contrato com vários laboratórios, que no nosso pedido, examinam a composição dos produtos para o cumprimento dos requisitos do "halal".

Após a realização das pesquisas necessárias, é nomeado um perito para acompanhar a produção posterior dos produtos. Como regra, este é um representante da comunidade muçulmana local que passou por cursos de formação e desenvolvimento profissional.

- Existe um único padrão de certificação "halal" para todos, ou existem alguns ramos, desvios?

- Existem desvios em alguns países, mas não críticos. Por exemplo, em alguns países árabes, onde um bom cavalo custa como dois Rolls-Royces, é proibido comer carne de cavalo, e no nosso país os tártaros não podem viver sem cavalo.

Alexey Yaushev estava a falar.

Partilhar
São proibidos comentários após 5 dias desde as publicações devido à política editorial

Outras histórias