MADE IN RUSSIA

Todas as regiões
POR
Especialistas

A procura de produtos russos: Representante comercial russo no Brasil fala sobre a situação no mercado de fertilizantes

A procura de produtos russos: Representante comercial russo no Brasil fala sobre a situação no mercado de fertilizantes

Em novembro, vários veículos de comunicação russos e brasileiros escreveram que o Brasil estava explorando a possibilidade de aumentar o fornecimento de fertilizantes da Rússia. Mais tarde ficou conhecido que a ministra brasileira da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Teresa Cristina, visitou a Rússia para discutir o assunto.

A equipe editorial do Made in Russia conversou com Victor Sheremetker, representante comercial da Rússia no Brasil, para saber que perspectivas os produtores nacionais têm de fortalecer suas posições neste mercado e que medidas adicionais podem contribuir para um aumento das exportações da Rússia. Leia mais no nosso artigo.

DÉFICIT NO MERCADO DE FERTILIZANTES

O impulso para o aumento das importações russas foi a situação no mercado mundial de fertilizantes, explica o representante comercial.

"Especialistas atribuem a resultante escassez de fertilizantes nitrogenados ao aumento do custo de sua produção: os preços do gás natural subiram acentuadamente e, consequentemente, os preços dos fertilizantes nitrogenados aumentaram", disse ele, acrescentando que o custo da uréia, por exemplo, é agora três vezes maior em mercados-chave em comparação com o início deste ano.

Desde setembro de 2021, disse ele, os pedidos à missão comercial russa dos círculos empresariais brasileiros interessados em comprar fertilizantes na Rússia aumentaram significativamente.

"Estamos estudando a demanda por parte das empresas e cooperativas brasileiras, e estamos constantemente em contato não somente com representantes dos departamentos agrários russo e brasileiro, mas também com representantes de empresas russas que produzem fertilizantes minerais no Brasil," continuou Sheremetker.

Já no início de outubro, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro relatou sobre o aumento do custo dos fertilizantes. A escassez desses produtos nos mercados mundiais, como o chefe de Estado apontou na ocasião, pode provocar uma crise alimentar e escassez de alimentos no Brasil no próximo ano. Ele lembrou que desde março de 2021 o governo do país vem trabalhando nesse assunto, e em dezembro deste ano as autoridades devem apresentar um plano de medidas emergenciais para assegurar o Brasil com fertilizantes. De acordo com este pacote de medidas, até 2050 a dependência do Brasil de fertilizantes importados deverá diminuir de 85% para 60%.

Uma semana após o anúncio, no entanto, o ministro de Minas e Energia do Brasil, Bento Albuquerque, realizou uma reunião com representantes dos principais produtores de fertilizantes russos durante a Semana Russa de Energia.

Em meados de novembro, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Teresa Cristina, visitou Moscou Moscou para várias conversas. No futuro, segundo a ministra, a situação poderá levar a preços mais altos para os produtos dos produtores agrícolas nacionais.

MEDIDAS DE APOIO SÃO NECESSÁRIAS.

A Rússia tem sido o principal fornecedor de fertilizantes ao Brasil por muitos anos, disse a representante comercial. Por exemplo, alguns dos maiores produtores russos - Phosagro, Eurochem, Uralchem, Akron e Uralkali - estão trabalhando aqui há muito tempo.

"Para continuar e aumentar o fornecimento de fertilizantes da Rússia aos consumidores brasileiros, o governo brasileiro deve considerar a redução da proteção tarifária sobre fertilizantes minerais", disse o representante comercial.

A mistura urea-amônia, por exemplo, está atualmente sujeita a uma tarifa de 4%, explicou.

"Embora as tarifas sejam pequenas, no atual ambiente de aumento dos preços dos fertilizantes nitrogenados, zerá-las teria um efeito positivo no preço para os agricultores brasileiros", acrescentou Sheremetker.

FERTILIZANTES RUSSOS NO BRASIL

A Rússia está aumentando constantemente sua presença no mercado brasileiro, disse o representante comercial, citando dados do Comex Stat, um portal estatístico do Ministério da Economia do Brasil. Nos últimos cinco anos, nosso país quase dobrou sua participação em termos de valor. Por exemplo, em 2016, a Rússia forneceu ao Brasil 4,2 milhões de toneladas de produtos no valor de US$ 985 milhões, e em 2020 - 7,6 milhões de toneladas no valor de US$ 1,8 bilhão, especificou o representante comercial.

Esta tendência continuará em 2021: nos primeiros dez meses de fornecimento de fertilizantes minerais da Rússia ao Brasil já superou o volume total de exportações no final do ano passado: 7,7 milhões de toneladas no valor de 2,6 mil milhões de dólares.

O Brasil importou 34,2 milhões de toneladas de fertilizantes no valor de oito bilhões de dólares no ano passado, dos quais um quinto (22%) veio da Rússia.

DISTRIBUIÇÃO DE MERCADO

No total, o Brasil importou aproximadamente 11,5 milhões de toneladas de fertilizantes contendo nitrogênio no valor de US$ 3,3 bilhões nos primeiros dez meses de 2021. A maior parcela, 23%, veio da Rússia, que exportou 2,6 milhões de toneladas no valor de US$ 765 milhões. A China ficou em segundo lugar, com 2,4 milhões de toneladas, no valor de US$ 408,5 milhões embarcadas para o Brasil (o país responde por 21% do mercado brasileiro). O Qatar está em terceiro lugar, com 1,5 milhões de toneladas no valor de US$ 529 milhões, sua participação é de 13%.

A Rússia também detém a posição de liderança no fornecimento de fertilizantes potássicos, diz o representante comercial da Rússia no Brasil. Durante os dez meses, os agrários brasileiros compraram 10,7 milhões de toneladas de fertilizantes de outros países. E 28% foram trazidos da Rússia - 3,1 milhões de toneladas por um bilhão de dólares. Este número foi batido apenas pelo Canadá, que exportou 3,4 milhões de toneladas de fertilizantes de potássio para o Brasil. O terceiro maior fornecedor é a Bielorrússia (dois milhões de toneladas de produção, 417 milhões de dólares). Este país é responsável por 18% do mercado brasileiro desses fertilizantes.

Nos últimos dez meses, o Brasil importou 8,8 milhões de toneladas de fertilizantes mistos por 4,3 bilhões de dólares. Estamos falando de produtos que contêm dois ou três nutrientes: nitrogênio, fósforo e potássio.

Como especificou Sheremetker, os principais fornecedores desse segmento foram Marrocos (2,2 milhões de toneladas, no valor de 1,2 bilhões de dólares). Este país africano é responsável por um quarto do mercado. Quase a mesma quota de mercado (23%) é ocupada pela Rússia, que forneceu dois milhões de toneladas de fertilizantes mistos no valor de mais de 862 milhões de dólares durante esse período, disse o representante comercial. A China ocupa o terceiro lugar, fornecendo 1,9 milhões de toneladas de fertilizantes ao Brasil no valor de 914,4 milhões de dólares.

Durante o mesmo período, o Brasil importou 2,8 milhões de toneladas de fertilizantes fosfatados, no valor de mais de US$ 725 milhões. Mais de um terço (36%) do mercado brasileiro de fertilizantes fosfatados é ocupado pelo Egito. Cerca de um milhão de toneladas no valor de US$ 173,5 milhões foram importadas daquele país. A China responde por um quarto (24%) do mercado e Marrocos por 15%.

Fabricados na Rússia // Fabricados na Rússia

Autor: Ksenia Gustova

0